Pelo segundo ano, Projeto Rugby Integral é semifinalista nacional no Prêmio Itaú-Unicef

  Concorrendo entre mais de 3.500 projetos inscritos, o Rugby Integral figura entre as cem melhores práticas educacionais do país.

Concorrendo entre mais de 3.500 projetos inscritos, o Rugby Integral figura entre as cem melhores práticas educacionais do país.

Repetindo o feito de 2017, nosso projeto Rugby Integral foi novamente indicado como semifinalista nacional na principal honraria do país para iniciativas educacionais: o Prêmio Itaú-Unicef. De acordo com a organização, foram chanceladas 100 boas práticas dentre as mais de 3.500 inscrições deste ano, sendo 40 para as Parcerias em ação – projetos realizados em conjunto OSC-Escola, categoria na qual o Rugby Integral está participando – e outras 60 para o OSC em ação, que apresenta iniciativas isoladas das organizações nos territórios.

Realizado desde 2014 em parceria-modelo com a Escola Classe 501 de Samambaia, o projeto Rugby Integral oferta aulas semanais de Rugby no contraturno escolar que utilizam o esporte como uma poderosa ferramenta interdisciplinar de ensino. Para este ano, o clube reformulou totalmente sua proposta pedagógica, estabelecendo nove módulos de ensino que abrangem as disciplinas: Linguagens e Códigos; Matemática; Segurança Alimentar; Meio Ambiente; Ética e Política; Igualdade; História; Saúde e Qualidade de Vida; e Jogos de Rugby.

De acordo com o nosso Presidente-Fundador, Cauan Felipe, “a proposta é trabalhar cada uma das áreas de acordo com a necessidade e o grau de aderência daquele grupo de alunos. Para isso, é realizado um trabalho conjunto entre a coordenação do clube e da escola para avaliar as demandas e a partir daí desenvolver as melhores estratégias pedagógicas. Desta forma, trabalhando juntos, ganha a escola, ganha a comunidade e ganha o rugby”.

De acordo com o plano pedagógico, a abordagem das disciplinas ainda deve convergir com as temáticas anuais e, essencialmente, com os eixos transversais da REMS – Rede Esporte pela Mudança Social e com Agenda ODS 2030. “Por exemplo, estamos definindo que trabalharemos no próximo ano sobre a pluralidade e integração dos povos, devido à Copa do Mundo de Rugby. Então, mesmo numa aula de matemática, tentamos trazer as referências do Rugby e mostrar como seus valores são importantes para unir as pessoas”, defende Willian Vagner, Diretor de Desenvolvimento do clube.

Apesar do projeto operar em parceria-modelo com a Escola Classe 501 de Samambaia, o projeto já foi expandido para outras seis escolas e, para 2019, deve alcançar todas as 10 unidades integrais da cidade. Além disso, o clube promove capacitações pra disseminar a boa prática em toda região: “Pela nossa estimativa, no próximo ano, teremos cerca de 15 escolas trabalhando com a metodologia durante todo o período letivo e, pelo menos outras dez aplicando nossas práticas ocasionalmente”.

Dentre as 40 iniciativas que concorrem na categoria do Rugby Samambaia, duas serão reconhecidas nacionalmente e receberão premiações de R$ 360 mil e R$ 400 mil para o primeiro e segundo lugar, respectivamente.